ADRIANA
RUSSO

CPR: 06/85257

Psicóloga desde 2006, já percorri diversos caminhos de atuação dentro da profissão, porém a prática clinica sempre esteve presente como atividade altamente recompensadora. Muita curiosidade e interesse em diferentes perspectivas e histórias de vida fazem com que eu veja cada relação humana (inclusive aquela entre psicoterapeuta e paciente) como uma potencial fonte de aprendizados mútuos. Há tantas formas de viver a vida quanto há seres humanos no mundo, e me interessa contribuir para que cada pessoa conheça seus próprios desejos e sinta-se encorajada a viver de acordo com eles.

Cada mergulho na mente e na alma de uma pessoa pode ser o caminho para descobertas e experiências encantadoras, criando novas possibilidades de relações, sentimentos, pensamentos e emoções.

Psicóloga na Vila Mariana

PARA QUEM?

Todos! Até não muito tempo atrás, era costume acreditar que “psicólogo é coisa de louco”, ou algum outro conceito que determinava a psicoterapia para apenas um público. Hoje sabemos que não é bem assim.

Todos nós, de uma forma ou outra, enfrentamos uma série de desafios e questões que acabam afetando nosso dia a dia. Por vezes as coisas ficam muito pesadas, e é difícil lutar todas as batalhas sozinho(a).

Leia mais

Como?

As sessões têm frequência semanal (uma ou mais vezes por semana, a combinar), e duração de 50 minutos, no consultório localizado na Zona Sul de São Paulo, Vila Mariana, próximo ao metrô Santa Cruz.

Há a possibilidade de atendimento online (dependendo da localização geográfica do paciente), e também de atendimento a estrangeiros, em inglês. O valor das sessões será combinado no primeiro encontro.

Leia mais

Psicóloga na Vila Mariana SP

Marque seu horário, vamos nos conhecer e entender juntos seu momento de vida!

BLOG

  • As versões de mim
    As versões de si mesmo Recentemente virou moda um aplicativo que transforma o rosto das pessoas em suas versões velhas. Uma avalanche de fotos de velhos apareceu nas redes sociais, pouco tempo depois de uma outra moda recente, a de tornar o próprio rosto na sua versão criança. Todo mundo postando fotos cuti-cuti com seus olhos arredondados e testas grandes. É tudo uma brincadeira, eu sei. Eu brinquei também, fiz minhas fotos e dei bastante risada com algumas versões crianças e velhas de amigos. Mas, se toda brincadeira tem um fundinho de verdade, penso que a verdade dessa não reside […]
  • O direito de sofrer
    O direito de sofrer “De 0 a 10, quanto está doendo?” – o médico pergunta a seu paciente, numa tentativa de quantificar uma sensação subjetiva, cujo maior conhecedor é o próprio paciente. Não cabe ao médico dizer quanto cada paciente deve sentir de dor, nem determinar a percepção individual da dor. Quem sabe de sua dor é o paciente. Exatamente o mesmo se dá no consultório que trata das dores psíquicas. Ao ouvir um bocado de histórias, atender uma porção de gente, sofrer junto com muitas dessas pessoas, entendo que não cabe a absolutamente ninguém quantificar nem julgar a dor […]

CONTATO

AGENDE PELO WHATSAPP